Espasticidade: veja as causas, graus e sintomas!

Fotografia de médico tratando da hérnia de disco de uma paciente idosa.

A espasticidade, ou espasticidade muscular, acomete milhões de pessoas no mundo todo, devido à alta frequência das doenças relacionadas ao quadro, dentre elas o AVC.

É importante que o paciente conheça os sintomas e graus do quadro, no entanto, é ainda mais essencial que uma consulta com o profissional seja realizada.

Entenda mais sobre o que é espasticidade e aproveite para marcar uma consulta de rotina com um neurologista. 😉

O que é espasticidade?

Espasticidade é o aumento exagerado do tônus muscular (hipertonia), causado por lesão ou doença neurológica central (cérebro ou medula espinhal). É um quadro frequente após alterações neurológicas, como AVC, esclerose múltipla e paralisia cerebral

A espasticidade pode afetar consideravelmente as atividades cotidianas do paciente, pois o músculo afetado apresenta tensão, rigidez, reflexos involuntários e limitação. Assim, atividades simples como caminhar e falar podem se tornar um desafio. 

Os músculos, como os agonistas e antagonistas,  perdem algumas de suas capacidades e, por isso, é um quado caracterizado por tantas limitações.

Geralmente, os quadros de espasticidade provoca sintomas nos braços ou pernas, ou seja, num pequeno grupo muscular. No entanto, a depender do desenvolvimento do quadro e, principalmente, das lesões neurológicas, todo o corpo pode sofrer as consequências.

A espasticidade por obter uma manifestação tardia (após meses de uma lesão neurológica) ou precoce (primeiros meses após a lesão). É preciso realizar o diagnóstico correto e de forma ágil, para que o máximo de sintomas possam ser revertidos.

A espasticidade é sempre ruim?

Não. Muitas vezes a espasticidade ajuda o paciente a manter a função do membro afetado. Porém, em alguns casos, como mencionamos, é bastante ruim, principalmente por gerar bastante dor, limitações e, a longo prazo, destruição de articulações.

Faça um diagnóstico e entenda exatamente o que fazer num quadro específico de espasticidade

Por que ocorre espasticidade?

A espasticidade pode ocorrer com diferente tipo de pessoas

Fotografia de idoso com dores de AVC, uma das causas da espasticidade.

A espasticidade muscular é um sinal de lesão neurológica. Portanto, a espasticidade ocorre (quase) sempre que há histórico de:

Lesão Cerebral:

  • Paralisia Cerebral (80% mais frequente)
  • AVC (Acidente Vascular Cerebral) (30% mais frequente)
  • Traumatismo Cranio-encefálico (20% mais frequente)
  • Encefalite (15% mais frequente)

Lesão Medular:

  • Esclerose Múltipla
  • Esclerose Lateral Amiotrófica

Outros:

  • Fenilcetonúria
  • Meningite Grave
  • Adrenoleucodistrofia
  • Doenças heredodegenerativas (Parkinson) e desmielinizantes (como neuralgia do trigêmeo)

Grau da espasticidade: conheça os 4!

Os graus de espasticidade podem ser resumidos em 4. É possível ser medido pela Escala Modificada Ashworth, entenda melhor quais são esses graus e o que eles podem indicar:

Grau 1: O principal sintoma da espasticidade de grau 1 é uma leve resistência ao final da amplitude de movimento, há um leve aumento do tônus muscular. 

Grau 2: Há um ligeiro aumento das contrações, rigidez e resistências de movimentos, principalmente, por menos da metade da amplitude do movimento. Mas ainda há fácil movimentação.

Grau3: Início da limitação de mobilidade de grande parte dos membros (concentração considerável).

Grau 4: O músculo afetado se apresenta totalmente rígido a flexão ou extensão.

Clique aqui e veja a classificação utilizada pelos demais profissionais de saúde

Sintomas da espasticidade

Os sintomas poderão variar conforme o grau da espasticidade, causa e local (focal, regional ou generalizada). Em geral, o que o paciente com espasticidade pode sentir:

  • Dificuldade na mobilização, devido ao cruzamento involuntário dos membros inferiores (Marcha em Tesoura);
  • Contração involuntária dos músculos;
  • Dor acentuada localizada;
  • Movimento involuntário;
  • Deformidades Graves;
  • Postura Incorreta;
  • Rigidez muscular.

Em casos graves de espasticidade, o principal sintoma apresentado é a posição de espasticidade, em que o paciente possui os braços dobrados, pernas e pés esticados e cabeça inclinada para o lado. Veja na imagem abaixo:

Reprodução: Adam.com

 

Fique atento aos sintomas. A paralisia do nervo facial pode provocar sintomas bastante parecidos, mas são quadros que necessitam de tratamentos diferentes.

Marque uma consulta e faça o diagnóstico correto! 

Diagnóstico de espasticidade

Fotografia de neurologista analisando os exames de pacientes com espasticidade.

O diagnóstico debe ser realizado único exclusivamente por um profissional

O diagnóstico de espasticidade muscular será realizado por um neurologista. Inicialmente, ele irá analisar o histórico familiar e médico do paciente e, como de costume, a anamnese (entrevista).

Feito isso, alguns testes, como a goniometria, poderão ser realizados, mas visando, principalmente, os movimentos das pernas e braços, incluindo a avaliação funcional da marcha e dos movimentos seletivos.

Mas, para a confirmação do diagnóstico de espasticidade alguns exames são solicitados, dentre eles:

  • Ressonância Magnética.
  • Tomografia computadorizada.
  • EEG (eletroencefalograma)
  • Ultrassom.

Muitas vezes o exame de imagem será importante para entender a causa e seu progresso.

Marque agora mesmo sua consulta com um neurologista de SP

Quais os tratamentos para espasticidade?

Existem diversos tratamentos para espasticidade, desde aplicação de toxina botulínica (Injeção de Botox) nos músculos acometidos, medicamentosos como  Baclofeno ou Diazepam, até cirurgias. 

Destacamos a Rizotomia Dorsal Superseletiva, procedimento no qual ocorre melhora da espasticidade de forma duradoura, principalmente em casos de espasticidade por paralisia cerebral. Existe também a possibilidade do uso de infusão contínua de baclofeno no liquor (Bomba de baclofeno).

É importante saber que muitos dos tratamentos para espasticidade são a longo prazo. A Injeção de Botox, por exemplo, requer aplicação a cada 6 meses, até que enfim apresente a eficácia necessária. O mesmo ocorre com a bomba de baclofeno, injetado de forma contínua, por um dispositivo na região subcutânea.

Há também opções de tratamentos fisioterapêuticos, como crioterapia, cinesioterapia e estimulação elétrica. Aqui, a constância também é importante!

Qual a importância em tratar a espasticidade?

Para melhorar a qualidade de vida do paciente. Temos casos de pacientes com paralisia cerebral com tanta espasticidade nas pernas que trocar a fralda se torna impossível. 

Ainda, a espasticidade ao longo do tempo gera deformidades nos membros, com retrações fixas e destruição das articulações.

Espasticidade tem cura?

A espasticidade não tem cura, no entanto, com os tratamentos mencionados é possível reduzir as sequelas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Gostou de saber mais sobre o que é lombociatalgia e tudo sobre o assunto?  Então, se aventure por outros temas do nosso blog. Aproveite!

Para saber mais ou marcar sua consulta, entre em contato com o neurologista de SP, Dr. Thiago pelos meios:

Agende sua consulta agora mesmo!

Consultório Vila Clementino

Consultório Tatuapé

Consultório Itaim Bibi

Whatsapp Plataforma Doctoralia